Hoje podemos ver que os efeitos das Mudanças Climáticas cada vez mais presentes em nosso dia a dia vem afetando as condições de vida das pessoas e das nossas cidades.

Procurando conhecer este impactos numa escala menor como; cidade, bairro, rua…percebemos o quanto colaboramos com os efeitos que estamos vivenciando, quando deparamos com ruas pouca arborizadas, bairros quentes e cidades muito adensadas ofertando poucas áreas verdes aos seus munícipios e contribuindo com a alteração do microclima local.

Na paisagem a vegetação além de promover beleza tem como função controlar a temperatura do ar e da superfície do solo filtrando em suas folhas os raios solares. As espécies utilizadas no estudo deverão avaliar qual a capacidade de absorver a radiação solar procurando promover o conforto térmico junto ao solo. Como regra a temperatura dentro das áreas plantadas devem ser mais frescas do que as áreas circundantes, reduzindo as flutuações de temperatura que ocorrem durante o dia.

Tratando-se da funcionalidade das plantas e seu correto posicionamento, os projetos (dependendo da localização) devem promover eficiência de conforto térmico . As trepadeiras por exemplo, podem exercer uma função de controle da incidencia solar em um determinado cômodo da casa, que em forma de cortinas vegetais são bem eficazes quando implantadas para proteger as edificações da radiação solar horizontal direta.

 

Já as arbóreas desempenham uma função filtrante da radiação, quando o estudo avalia a necessidade de sombreamento verticalizado. Exemplo; ruas bem arborizadas que são agradáveis de caminhar. Das espécies mais eficazes para este efeito térmico tem se obtido através das Caesalpinia Peltophoroides (Sibipiruna), Tabebuia Impetiginosa (Ipê Roxo), Magnolia (Michelia Champaca), etc.

As Forrageiras desempenham também um papel importante no estudo uma vez que contribuem com a troca térmica com outras plantas, além de proteger o solo de ressecamento e erosões. O diferencial destas espécies está na propagação verticalizada que se desenvolve rapidamente no terreno. Alguns espécies se destacam mais que outras na produção de conforto, destacando-se; Wedelia Paludosa ( wedelia), Callisia Repens ( callisia), Capim da praia (Spartina alterniflora) etc.

                                                                                                                         CallisiaWedelia

Outro campo analisado no estudo da Paisagem bioclimática são os ventos e suas direções no decorrer do ano. A direção dos ventos pode ser um fator determinante de sucesso no jardim, pois é através dos ventos que muitas espécies se propagam, sendo um fator natural polinizador de espécies. Como exemplo, podemos ver na natureza que muitas orquídeas (dendrobium, Rodriguezia venusta, zygopetalum maxillare, etc) e bromélias (Tillandsia Geminiflora, Aechmea bromeliifolia, Tillandsia usneoide, etc) se propagam através dos ventos contribuindo com o equilíbrio ecossistêmico de um lugar.

Por Inez Gouveia.

Arquiteta Urbanista

Ms Gestão e Sustentabilidade Ambiental.

www.inezgouveiaarquitetura.com.br

*Imagens do acervo pessoal e internet.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.